2015.ABR.28 — BONS SONS — mais parceiros de programação, mais música portuguesa ver email online
O BONS SONS APRESENTA A PROGRAMAÇÃO DO PALCO MPAGDP E REFORÇA A REDE DE PARCEIROS DE PROGRAMAÇÃO AO JUNTAR A D’ORFEU ASSOCIAÇÃO CULTURAL
O BONS SONS prossegue na senda de se tornar a plataforma da Música Portuguesa ao fomentar o diálogo e o encontro entre associações com objectivos e missões comuns. O espírito comunitário, próprio do BONS SONS, permite este trabalho em rede e a criação de sinergias que beneficiam tanto a música com o seu público.

O BONS SONS reafirma a sua aposta de apresentar não só o melhor programa, mas também os agentes que fazem a diferença em Portugal.

Ao longo das várias edições, o BONS SONS tem apostado na divulgação de diferentes projectos associados à música, mas também a outras formas artísticas. Criou eixos de programação a explorar por diferentes parceiros e disponibilizou o espaço para as suas propostas, trazendo visibilidade ao trabalho por eles desenvolvido durante todo o ano.

É neste contexto que surge a nova parceria de programação com a d´Orfeu Associação Cultural, cujo objectivo passa por dinamizar actividades culturais através da música e da sua relação com todas as outras formas de expressão. A d’Orfeu promove o Festival OuTonalidades que decorre um pouco por todo o país como incentivo à circulação da música ao vivo em diversos espaços. Nesta edição do BONS SONS, o OuTonalidades vai assentar arraiais em Cem Soldos e, para assinalar a parceria, vai emprestar o seu nome ao Palco “Tarde ao Sol” que irá acolher esta programação.
Para este palco estão confirmados os Penicos de Prata, Minta & The Brook Trout, Edu Miranda Trio e Daniel Pereira – Cordofonias.

Desde 2012 que também o Palco “Música na Igreja” está a cargo da MPAGDP – A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria – um projecto que tem vindo a reunir e difundir em vídeo a imensa variedade de música feita em Portugal.
Na intimidade da Igreja, e pela 3ª edição consecutiva, a programação deste palco fica a cargo da MPAGDP que este ano apresenta Bicho do Mato, Enraizarte, Tranglomanglo, Chão da Feira, Polifonia de Arões. No último dia do Festival, 16 de Agosto, a MPAGDP partilha a programação com a produtora Azáfama e apresentam Janeiro e Tio Rex.

Acrescem ainda às parcerias de 2015: Mural Sonoro, nas Conversa ao Correr das Músicas; Walk & Talk, na programação de artes urbana; Associação Canto Firme, na programação para as crianças; Curtas em Flagrante, na programação de curtas-metragens; AEPGA, na valorização da fauna e flora e a Ideas Forward na criação de concurso de ideias para melhorar o recinto do BONS SONS.

No BONS SONS a música portuguesa é o que nos move e também o que nos une.






[MPAGDP]
BICHO DO MATO

O Bicho do Mato nasceu em 2011, quando quatro músicos se juntaram a convite da MPAGDP para gravar alguns temas originais. Com uma sonoridade distinta entre a música tradicional, o rock, o folk e a world music, apresentam canções melódicas e acessíveis que contrastam com a crueza das palavras, atentas e aplicadas num cantar de intervenção mais humano que político.



 

[MPAGDP]
ENRAIZARTE

Em 2008 três “canalhos” iniciaram-se com a formação de festa transmontana: gaita, caixa e bombo. Desde então, as raízes estenderam-se a um grupo de 11 músicos, apresentando uma sonoridade que vai da ortodoxia ao experimentalismo e tendo a música tradicional como denominador comum. Enraizarte faz jus ao ser transmontano, povo de perseverança, força e criatividade.





[MPAGDP]
TRANGLOMANGLO

Fundado em 2012, este grupo de Viseu deixa-se influenciar pela música tradicional portuguesa para fundir estilos contrastantes. Trazem a formação clássica do rock à qual se juntam um acordeão e três vozes que animam qualquer cemitério de paróquia. Liguem os cátodos aos pontos cardeais do corpo e larguem a velhinha: ela vai sacudir o pó do pé com rock e chula!



 

[MPAGDP]
CHÃO DA FEIRA

No Chão da Feira misturam-se raízes portuguesas com sonoridades do mundo. Aqui coexistem a tradição e a modernidade, o orgânico e o mecânico, o sagrado e o profano. Falam de flores, armas e amor. O disco “Das Tripas Coração”, de 2015, é o primeiro registo de um projecto apaixonado e visceral, tão livre e profundo como o corpo e o coração das mulheres que lhe dão vida.





[MPAGDP]
TERRAS DE ARÕES

Arões, a freguesia mais afastada do Concelho de Vale de Cambra, viu nascer, em 1997, o Grupo de Folclore “Terras de Arões”. Com um intenso trabalho de recolha junto das comunidades mais idosas da freguesia, um após outro, as danças e os cantares de outrora renasceram. Usos, costumes e modos de vida reavivaram-se e o passado veio fundir-se com o presente.



 

[MPAGDP]
JANEIRO

Apesar de Janeiro ser o apelido materno de Henrique, ele nasceu em Março há uma vintena de anos. É músico, cantor, autor e compositor. Tem muita música na cabeça e na ponta dos dedos. Tem muita música presa dentro dele que se quer soltar.





[MPAGDP]
TIO REX

Apresenta-se como cantautor setubalense que, munido de uma guitarra acústica, recorre a sonoridades folk e country para construir um universo sonoro próprio. A sua voz portuguesa grave convida-nos a partilhar com ele momentos de introspecção onde, trabalhando a sua sensibilidade, busca uma melhor compreensão do mundo, almejando a harmonia pessoal.



 

[OuTonalidades]
PENICOS DE PRATA

Este quarteto formado por contrabaixo, violoncelo, ukulele, guitarra e vozes, compõe música para poemas de cariz erótico e satírico, de autores portugueses. A sua música procura criar universos desconcertantes e transgressores, enquadrados na respeitável tradição nacional da poesia dita brejeira ou burlesca.





[OuTonalidades]
EDU MIRANDA TRIO

Edu Miranda conta com a participação de Tuniko Goulart, na guitarra e sintetizador, e de Giovani Goulart na bateria e percussão. Fados trazidos para o ambiente da música instrumental brasileira, passando por ritmos como o chorinho, samba, baião, forró e o maracatu fazem deste espectáculo um cocktail de influências, virtuosismo e boa disposição.



 

[OuTonalidades]
MINTA & THE BROOK TROUT

Francisca Cortesão, ou Minta, e Mariana Ricardo, como Brook Trout, são duas vozes a que se junta uma guitarra, um ukulele e uma percussão extremamente portátil. Vivem em Lisboa apesar de saltitarem pelo mundo. O seu álbum de 2012, “Olympia”, foi considerado pela revista Blitz e pela rádio Radar um dos melhores do ano. Em 2015 vamos ter o terceiro.





[OuTonalidades]
DANIEL PEREIRA – CORDOFONIAS

O músico e compositor de Braga explora as sonoridades dos instrumentos ancestrais da tradição minhota. Do cavaquinho à braguesa, passando pelo bandolim, faz uma viagem ora por sons da tradição oral, nas músicas cantadas, ora pelos instrumentais que compõe, nos quais afirma que são os próprios instrumentos a comunicar com o público através do seu pulso.
   
PASSES 4 DIAS
Os Passes a preço reduzido estão limitados ao número de unidades disponibilizadas para cada fase. Esgotado o número de unidades da fase em curso passam a vigorar os valores da fase seguinte.

MARÇO/ABRIL
25€
  MAIO/JUNHO
30€
  JULHO/AGOSTO
35€

À venda nos locais habituais:
Ticketline, CTT, FNAC, Worten, El Corte Inglés, C.C. Dolce Vita, Casino Lisboa, Galerias Campo Pequeno, Agência Abreu, ABEP, MMM Ticket, C.C. Mundicenter, CCB, Shopping Cidade do Porto, U-Tickectline.
Em Tomar: Amor Lusitano - Portuguese House
Em Cem Soldos: Sede do SCOCS




DESCARREGAR IMAGENS   + INFORMAÇÕES   SOBRE O BONS SONS
Contactos
comunicacao.bonssons@gmail.com
Ana Abrantes
Imprensa nacional

Madalena Tomaz Gonçalves
Imprensa regional
Cem Soldos, 1ª metade do séc.XX. Registo fotográfico de Nuno Mourão.